Mieth MadeirasBlumen Platz Center - Outubro de 2015Água Kangen
Por Grande Santa Rosa Notícias. Publicado em 10/08/2020

Aras, procurador procurando emprego

Por Ivar Hartmann

Informações importantes. Juízes e promotores têm algumas garantias, necessárias ao combate dos corruptos ricos ou poderosos: não podem ser transferidos ou demitidos sem processo. Como sabemos, no desdobrar da Lava Jato, foram fundamentais para a condenação de dezenas de bandidos e para a devolução aos cofres públicos de milhões de dólares. Mais: os ministros do STF, e o procurador-geral da República são escolhidos pelo presidente da República e aprovados pelo Senado Federal. Este tipo de escolha nos trouxe os notórios Gilmar Mendes, Toffoli e Lewandowski. Por incrível que pareça, Lula e seus satélites sempre escolheram para procurador-geral os indicados em uma tríplice entre os próprios procuradores. Na última escolha votaram 946 procuradores ou 82,5% da categoria. O mais votado disse publicamente que aumentaria os quadros de procuradores da Lava Jato. Está claro que o cargo de procurador-geral da República, com dois anos de mandato, seria o trampolim natural para uma indicação ao Supremo. Seria, não fora terem sido escolhidos pela classe e, por definição:  defender, em juízo ou extrajudicialmente, os interesses coletivos da sociedade. Lula, nosso mais célebre condenado, deixava que os procuradores escolhessem seu chefe. O tempo passou e os inquéritos, processos e sentenças da Lava Jato, com seus juízes, procuradores e delegados da PF, deram um basta aos bandidos de colarinho branco, cuja única proteção era alguns ministros do STF. Não há um cidadão brasileiro sério que não elogie a ação dos responsáveis pela Lava Jato. Cidadão sério eu disse. Ou não comprometido, direta ou indiretamente com os bandidos de colarinho branco. Bolsonaro, com o filho senador sendo processado no Rio por vigarice resolveu cortar o bem pela raiz. Por isso não indicou para a PGR um defensor da Lava Jato e sim um inimigo da mesma.

E Augusto Aras foi indicado. Foi o primeiro desde 2003 a não ser escolhido entre os nomes da lista tríplice da Associação Nacional dos procuradores da República, com os candidatos mais votados pela categoria. Ele é chamado nos bastidores do MPF de “PGR biônico”: nomeado sem passar pelo voto dos colegas. Ganhando o emprego, Aras passou a lutar a favor do padrinho presidente na esperança de arrumar o emprego futuro de ministro do Supremo. Por isso, sabendo que precisa de votos também no Senado, o inimigo natural é a Lava Jato. Passa a atacar, pois os juízes e procuradores da mesma e por consequência os policiais da PF que faziam as descobertas denunciadas pelos procuradores e julgadas pelos juízes. Está nos jornais. Não esperava a reação. O líder da oposição chamou-o de advogado dos que saqueiam os cofres públicos. Líderes de partidos como Cidadania, PSL, Podemos e Rede defenderam a Lava Jato e criticaram Aras. Para concluir, e os leitores terem uma clara noção de quem é o atual procurador-geral da República e inimigo da Lava Jato, Augusto Aras, o procurador que procura emprego, quem saiu em sua defesa foi Renan Calheiros, o mais notório bandido do Senado. Boa companhia, hein?

ivar4hartmann@gmail.com

 

 
Representações BirckRepresentações Birck - 1 Filtros EuropaCotrio - Logomarca
Cotrio - LogomarcaFiltros EuropaRepresentações Birck - 1 Representações Birck