Magazine RennerMieth MadeirasCinesio Clin - Clínica de fisioterapia de Débora e ÉvelinBlumen Platz Center - Outubro de 2015
Por Grande Santa Rosa Notícias. Publicado em 11/07/2017

Táxi e Uber: o futuro

Por Ivar Hartmann


Taxistas e uberistas (?), todos têm razão em seus reclamos e reivindicações: afinal, trata-se de garantir emprego e sustento. Quando pensei em escrever este artigo, colocando-o no computador, mudei a abordagem. É outro horizonte, maior que a luta entre eles.  Explico. Na comunicação entre as pessoas, onde está o telex, fundamental nas empresas? E o fax, importante em qualquer casa? E o telefone fixo, sem o qual nenhum negócio podia prosperar, nenhum profissional liberal poderia abrir sua atividade? Máquinas fundamentais tornaram-se objetos de museu em poucos anos. Na locomoção, a busca da rapidez trocou o ônibus pelo automóvel e o navio pelo avião. Em muitas ações que praticamos, rapidez e custo são intrínsecos. A internet revolucionou nossa vida nesta década. Vejam: quando os telefones portáteis apareceram, e faz tão pouco tempo, todos nós chamávamos a maquineta de telefone celular. Quem o chama assim hoje? Atualmente nosso celular é tudo, até telefone. Assim como as máquinas desaparecem, suplantadas por outras melhores, profissões também vão sendo eliminadas. Vejam as parteiras. Ou o engraxate, o borracheiro, a telefonista.

Referente à evolução da vida em sociedade há uma busca permanente por melhorar serviços e diminuir custos. Assim, o táxi está morrendo. Se preciso me deslocar e tenho dois serviços iguais disponíveis, um mais barato que o outro, qual vou chamar? Não há como nadar contra a correnteza. Cada vez que ocorrem mudanças tão significativas em serviços disponíveis para a população, há uma revolução. Quando o automóvel substituiu a charrete, quando o caminhão substituiu a carroça, foi uma revolução. E os condutores dos veículos movidos a tração animal, ou se reciclaram, ou mudaram de profissão. Isso já deve estar ocorrendo entre os taxistas. Vendo diminuir suas rendas, mês a mês, sem possibilidade de retorno, o caminho é acompanhar os novos tempos. Este ponto é importante: não há volta. As prefeituras lucraram durante muito tempo com os taxistas, vendendo placas, cobrando impostos, sem nada oferecer em troca. Custos embutidos nas tarifas. E veículos à disposição apenas para este serviço. Não há como combater o Uber e seus correlatos. É uma revolução no transporte público que tomou conta das principais cidades do mundo. O caminho talvez seja os taxistas trocarem também para a nova forma de prestar seus serviços.

ivar4hartmann@gmail.com  

Imobiliária Cerro AzulRepresentações BirckRepresentações Birck - 1 Cotrio - LogomarcaSaldanha Prestadora de Serviços
Saldanha Prestadora de ServiçosCotrio - LogomarcaRepresentações Birck - 1 Representações BirckImobiliária Cerro Azul