Magazine RennerMieth MadeirasBlumen Platz Center - Outubro de 2015
Por Donato Heinen. Publicado em 22/11/2017

Notas e Apartes 1.225

Coluna publicada no jornal Gazeta Regional de 15-11-17


Povo Cada país tem o povo que merece. E os políticos também. Afinal, eles são oriundos desse mesmo povo. O que dizer de um país onde 81% das pessoas, segundo pesquisa recente da CUT/Vox Populi, são contrárias à reforma Trabalhista, que entrou em vigor no último sábado? O que dizer de um país onde o consumidor acredita que a culpa pelo preço elevado dos combustíveis é do dono do posto e não do governo, que cobra tributos escorchantes?

Petróleo – Ao contrário de 2014, quando a presidente Dilma Rousseff determinou a contenção artificial do preço dos combustíveis para ganhar a eleição, o atual governo optou por reajustes de acordo com a variação do dólar e do preço do barril de petróleo. Que estava em 45 dólares e subiu para US$ 64,00, na semana passada. Mesmo assim, a responsabilidade pelo elevado preço do combustível no Brasil é do governo. Afinal, mais da metade do custo final da gasolina, por exemplo, é de TRIBUTOS!

Contra Mas a boa notícia reside justamente no fato de 81% da população e os políticos ligados ao PT, PSOL, PCdoB, PSTU e outros partidos de esquerda ser contrários às reformas. Isso mostra que estamos no caminho certo para mudar as relações de trabalho e aumentar a geração de emprego e renda no país.

Proteção – Toda legislação de um país que dá excesso de proteção ao cidadão na verdade lhe traz mais prejuízos do que benefícios. A livre negociação entre as partes ainda é o melhor caminho, respeitadas as garantias mínimas para o empregado. O excesso de proteção tolhe a liberdade tanto do trabalhador quanto do empresário. É ilusão pensar que quanto maior a proteção mais benefícios haverá para o cidadão. Como empreender e gerar riqueza através de empregos se um trabalhador que recebe mil custa 2,2 mil para o patrão?

CLT – Editada na década de 1940, a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) recebeu algumas alterações ao longo dos anos. Mas era uma das legislações trabalhistas mais obsoletas, retrógradas e ultrapassadas do Mundo. O excesso de regras protecionistas impedia que as relações entre capital e trabalho proporcionassem a geração de empregos a um custo razoável. O que trazia prejuízos tanto para o empregador quanto para o trabalhador. Em suma, um atraso para a economia do país. Agora, mais de cem alterações entraram em vigor e ao longo dos próximos anos devem servir para agilizar as relações empregatícias e revigorar a nossa economia.

Greve – A greve de uma parte do magistério estadual gaúcho já dura mais de dois meses. Embora limitada a um pequeno número de escolas, ela atinge muitos alunos por serem educandários com grande número de estudantes. Um dos motivos que resultou na não aceitação do término da greve é o fato do CPERS/Sindicato exigir que os professores tenham 45 dias de férias no início do próximo ano, apesar de estarem de folga há mais de 60 dias. Parece inacreditável.

Inter – O sofrimento da torcida colorada parece estar longe do fim. Considerando a estrutura do clube e o elenco de jogadores, o Colorado já deveria ter alcançado há muito tempo os pontos necessários para voltar à Série A. E mais, conquistar o título da competição, que agora ficou bem mais difícil. É impressionante como o Inter joga um futebol pobre, limitado, burocrático, medíocre, sem objetividade e sem inspiração. Eventual conquista da Taça Libertadores pelo maior rival pela terceira vez agrava ainda mais o ânimo e o sofrimento do torcedor.

Donato Heinen 

Imobiliária Cerro AzulRepresentações BirckRepresentações Birck - 1 Cotrio - LogomarcaSaldanha Prestadora de Serviços
Saldanha Prestadora de ServiçosCotrio - LogomarcaRepresentações Birck - 1 Representações BirckImobiliária Cerro Azul