Magazine RennerMieth MadeirasBlumen Platz Center - Outubro de 2015
Por Donato Heinen. Publicado em 29/11/2017

Notas e Apartes 1.227

Coluna publicada no jornal Gazeta Regional de 29-11-17


Ladrões – Entre tantos outros políticos, temos um presidente da República acusado de corrupção. Um ex-presidente já reconhecido como ladrão e condenado a 9,5 anos de prisão. E uma ex-presidente apeada do poder por crime de responsabilidade, depois de milhões de pessoas irem às ruas protestar, também investigada por ter recebido recursos ilícitos para suas campanhas eleitorais à Presidência.

Diferenças – Entre as principais diferenças entre eles cito o fato de o atual presidente, embora acusado por corrupção, estar recolocando a economia nos trilhos, ter baixado significativamente a inflação e tomar medidas impopulares para começar a sanar os graves problemas financeiros do país. Não fosse isso, certamente milhões de pessoas já teriam voltado às ruas para protestar. Já os dois ex-governantes citados, ao contrário, criaram dezenas de estatais que dão bilhões de prejuízo a cada ano ao povo, incharam e aparelharam a máquina pública com centenas de milhares de companheiros e governaram o Brasil com um monumental cheque sem fundos, cuja fatura o povo está pagando, causando o maior desastre já visto no campo econômico do país.

Cenário – Poucas vezes se viu na história recente do Brasil um quadro tão indefinido no que diz respeito à sucessão presidencial, quando falta menos de um ano para as eleições a presidente, governador, senador e deputados.

Parada Livre – Antes conhecida como Parada Gay, o movimento conquista muitos adeptos. Em boa hora, o prefeito de Porto Alegre cortou qualquer recurso público para o evento realizado na capital gaúcha no último domingo. Com tantas prioridades e a falta de recursos até para pagar salários, seria um absurdo destinar dinheiro público para essa finalidade. Os participantes reclamaram do prefeito. Só pra lembrar, no meio dessa gente estão muitos daqueles que defendem que qualquer lixo é “arte alternativa”. Que acham normais as cenas de pedofilia, zoofilia, sexo explícito e toda sorte de atentados cometidos contra símbolos religiosos em museus.

Vexame – Como todos sabem, o maior vexame colorado aconteceu em 2016, quando o Inter foi rebaixado para a Segunda Divisão do Brasileiro. Este ano, depois de um primeiro turno pífio, sofrível, a equipe melhorou um pouco e alcançou a primeira colocação, posição que manteve por várias rodadas. Mas na reta final da competição, novo fracasso com derrotas e empates inexplicáveis. Saiu da primeira colocação e o técnico foi demitido. Assumiu o interino, que conseguiu bons resultados nos últimos jogos. Mas insuficientes para voltar ao topo da tabela e conquistar o título. Ou seja, duas decepções enormes para a torcida. Além do fracasso do rebaixamento, o vexame de não conquistar o título da Segunda Divisão.  

Anos difíceis – Se 2016 e 2017 foram anos de duas grandes decepções, 2018 pode ser mais uma temporada de grande sofrimento. A equipe precisa melhorar muito para manter-se na Primeira Divisão. Ainda mais com um técnico novato e inexperiente como Odair Hellmann, que de interino foi guindado a comandante efetivo da equipe. Será que o técnico fica no comando até o final do Gauchão? A resposta, saberemos nos primeiros meses do próximo ano. Mas não convém sofrer por antecipação.

Grêmio – Já o torcedor gremista, ao contrário, vive em plena euforia com a possibilidade de conquistar o título da Libertadores de América pela terceira vez, hoje à noite, em Lanús. Entendo que o fator campo não terá muito peso nesse confronto contra o Lanús, embora toda pressão da torcida argentina.

Donato Heinen 

Imobiliária Cerro AzulRepresentações BirckRepresentações Birck - 1 Cotrio - LogomarcaSaldanha Prestadora de Serviços
Saldanha Prestadora de ServiçosCotrio - LogomarcaRepresentações Birck - 1 Representações BirckImobiliária Cerro Azul