Magazine RennerMieth MadeirasBlumen Platz Center - Outubro de 2015Mieth MadeirasConstinta
Por Donato Heinen. Publicado em 29/01/2019

Notas e Apartes nº 1.288

Coluna publicada no jornal Gazeta Regional de 30-1-19

 

Previdência – Como se sabe, urge que seja feita uma reforma profunda na Previdência Social do país. Especialmente na área pública, onde o rombo cresce de forma assustadora a cada ano. Os militares têm tratamento diferenciado e nesse setor o déficit aumentou muito. Subiu de R$ 35,9 bilhões (2017) para R$ 40,5 bi no ano passado. A receita foi de míseros R$ 2,1 bilhões. Já o déficit dos servidores civis da União alcançou R$ 43 bilhões até novembro.

Absurdo - O maior absurdo é que 55% dos militares têm entre 45 e 50 anos quando da inativação. Outra diferença abissal reside no valor médio dos proventos mensais. O dos militares é de R$ 13,7 mil, enquanto o dos servidores civis da União, aposentados e pensionistas, alcança R$ 9 mil, ante apenas R$ 1,8 mil dos beneficiários do INSS. Então não restam dúvidas onde reside o principal motivo do rombo estratosférico da Previdência Social.

Brumadinho – Desde sexta-feira (25), em todos os veículos de imprensa e nas redes sociais, o assunto mais comentado é o rompimento de mais uma barragem de rejeitos de uma mineradora. Desta vez, em Brumadinho, MG. Com danos pessoais inestimáveis. A conta final deve alcançar cerca de 350 vítimas fatais. Isso apenas pouco mais de 3 anos depois (5-11-2015) do rompimento de uma barragem na também mineira Mariana, quando o número de vítimas fatais foi infinitamente menor, embora o volume da barragem rompida no distrito de Bento Rodrigues fosse superior – cerca de 62 milhões de metros cúbicos, contra 12,7 milhões.

Punições – No caso de Mariana, até hoje ninguém foi punido criminalmente. Centenas de famílias esperam por indenizações. Agora, a Justiça está sendo mais ágil e já houve várias prisões, ontem. Engenheiros acusados de falsificar um laudo técnico tiveram decretada sua prisão provisória por 30 dias.

Redes sociais – Em redes sociais, milhares de pessoas se manifestaram. Muitas delas de forma insensível, grosseira, estúpida. Querer responsabilizar o atual presidente, que assumiu apenas 25 dias antes do desastre, beira o ridículo. É coisa de gente hipócrita. Quer dizer que o pessoal que faliu com o Brasil e roubou bilhões de reais durante 13 anos não tem responsabilidade e a culpa é do atual governo?

Pior – Mas muitos hipócritas, falsos, fingidos, imbecis, insensíveis, maledicentes e ignorantes fizeram pior. Entre eles, jornalistas, inclusive. Mais conhecidos como esquerdopatas. Em várias publicações em redes sociais, postaram que as pessoas de Brumadinho estão tendo o que merecem por terem votado, em sua maioria, em Jair Bolsonaro. Isso é coisa de animal, não de ser humano. Sem querer ofender os animais.

Pimenta – O deputado Paulo Pimenta (PT/RS) é acusado por seu primo Mário Pimenta de ser o operador de um esquema que lesou arrozeiros em pelo menos R$ 12 milhões, em São Borja. O parlamentar alega inocência. Já outro primo, Naôr Severo, em abril de 2018, detonou Pimenta em uma rede social. “Tu, covardemente, me bloqueaste em tua imunda página (...) Tu és um câncer nojento, Paulinho, e até a tua família quer distância de ti”, escreveu.

Venezuela – O jornalista da RBS Rodrigo Lopes, veterano em coberturas internacionais, foi a Caracas para enviar reportagens sobre a situação do país, governado pelo ditador Nicolás Maduro. Ele teve seu passaporte e celular confiscados e ficou retido por duas horas, incomunicável, em um quartel pela polícia, na sexta-feira (25). Foi submetido a extenso interrogatório e ameaçado. Deixou a Venezuela por questão de segurança. E o governo Mauro continua servindo como modelo de democracia para a esquerda brasileira.

Donato Heinen

 
Representações BirckRepresentações Birck - 1 Cotrio - Logomarca
Cotrio - LogomarcaRepresentações Birck - 1 Representações Birck