Magazine RennerMieth MadeirasBlumen Platz Center - Outubro de 2015Mieth MadeirasConstinta
Por Grande Santa Rosa Notícias. Publicado em 19/06/2019

O juiz Moro e o procurador Dallagnol

Por Ivar Hartmann



Por três décadas fui, sucessivamente, advogado, juiz e promotor de Justiça. Em dezenas de comarcas gaúchas. Experiência para falar sobre as conversas gravadas do ex-juiz Sérgio Moro. Face dos comentários de quem debate o assunto, vale a pena lembrar: No juízo comum, os processos podem ser do cível ou do crime. Nos primeiros, o promotor ou procurador raramente atuam. Nos últimos, sua presença é obrigatória porque é ele que, representando o Brasil, busca impedir que o bandido possa tirar proveito de seu crime. O Estado lhe paga ao contrário do advogado que é contratado e ganha seus honorários do bandido que defende (Lula e Odebrecht por exemplo). Chama-se promotor de Justiça, porque pelas provas do processo pode pedir a absolvição ou a condenação do réu. Igual do juiz que decide quanto à absolvição ou a condenação. Independentes, podem falar livremente nos processos em que estão atuando juntos, sem qualquer ilegalidade. Nem o promotor seria estúpido para pedir uma sentença ao juiz, nem o juiz seria estulto para indicar rumos ao promotor.

As escutas ilegais de pessoas da esquerda, não encontraram nada demais. Tempestade em copo de água. É sobre corrupção que temos de ver se há gravações.  Como Lula tentando comprar o promotor com parte do dinheiro que roubou do Brasil, ou a Odebrecht comprar Moro com parte do dinheiro que desviou graças ao petismo-comunismo. Calculemos que o promotor e Moro ganhem, cada um, 50 mil reais mensais, 600 mil em um ano. Em dez anos, seriam seis milhões de reais, 1,5 milhão de dólares. Os leitores que acompanham a Lava-Jato sabem que os bandidos roubaram de vários entes do Estado brasileiro bilhões de dólares. 1,5 milhão ou 15 milhões de dólares, o que o promotor ou Moro ganhariam em 100 anos. Esta gravação é que queremos ver. As atuais, são conversas normais entre um juiz e um promotor criminal. Que tive às centenas, nos processos em que atuei. Ilegal é a escuta dos bandidos.

 ivar4hartmann@gmail.com 

Representações BirckRepresentações Birck - 1 Cotrio - Logomarca
Cotrio - LogomarcaRepresentações Birck - 1 Representações Birck