Magazine RennerMieth MadeirasBlumen Platz Center - Outubro de 2015Mieth Madeiras
Por Donato Heinen. Publicado em 14/08/2015 as 16:07:55

Limitações do romance estão na paridade dos gêneros

A mulher adulta não segue um modelo de vida imposto pelo externo


Limitar o outro na relação afetiva pode ser racional ou inconsciente. Na visão da pesquisadora Maria Alice Schuch é prática corriqueira e provém de estilos de vida que embutem atalhos da infância às atividades diárias que envolvem o casal. “É preciso saber que as limitações castram a liberdade de curtir o romance. É preciso rever as condutas tradicionais e evoluir na paridade dos gêneros”, alerta.

Alice explica a tendência de levar para o matrimônio os jogos que infantilizam e que enfraquecem a capacidade de luta, de sofrimento e de criação das pessoas: “essa passividade é fixa da criança e mata a realização do projeto pessoal adulto, incapacitando-as de se experimentar lealmente. Isso reflete no outro”.

A mulher adulta não segue um modelo de vida imposto pelo externo. Contudo, de acordo com os estudos de Alice Schuch, entre os doze e quatorze anos, quando vê com clareza os jogos dentro da família, muitas vezes escolhe continuar obtendo tudo com facilidade. Entre os dezoito e vinte e quatro anos, quando já é adulta e pode construir a própria estrada, geralmente confirma o jogo do atalho e da facilitação.

Alice Schuch destaca que o gênero feminino tende seguir utilizando no matrimônio os atalhos não convenientes para o próprio desenvolvimento, para a realização do projeto pessoal. “Ao escolher uma profissão, gostaria de ser arquiteta, mas como a família possui uma fazenda, estuda Veterinária ou Agronomia”, ilustra. “Mantendo-se em uma prisão, ela falha deixando de ser feliz consigo e com o outro. Falha também o matrimônio”, conclui. 


Nome:

E-mail:

Comentário:

Cidade:


Comentários


Imobiliária Cerro AzulRepresentações BirckRepresentações Birck - 1 Cotrio - Logomarca
Cotrio - LogomarcaRepresentações Birck - 1 Representações BirckImobiliária Cerro Azul