Magazine RennerMieth MadeirasBlumen Platz Center - Outubro de 2015Mieth Madeiras
Por Donato Heinen. Publicado em 05/04/2018 as 16:17:25

Ex-dirigente do Inter usou notas de empresa de sua família para justificar gastos do clube

Na maioria dos episódios, Affatato apresentou as notas posteriormente


Pedro Affatatto foi vice-presidente de Finanças na gestão Piffero Félix Zucco / Agencia RBS

Ex-vice-presidente de Finanças do Inter na gestão 2015/2016, Pedro Affatato apresentou notas fiscais de uma das empresas da sua família para prestar contas e dar baixa em adiantamentos de valores sacados na tesouraria do clube nos dois anos do período. 

Grupo de Investigação da RBS (GDI) apurou que foram ao menos 10 transações entre o Inter e a Rodoseg Segurança e Engenharia Rodoviária Ltda., da família de Affatato, somando cerca de R$ 1 milhão em documentos fiscais de cobrança ao Inter emitidos pela empresa. Os casos ocorreram entre 2015 e 2016, no último mandato do ex-presidente Vitorio Piffero 

Na maioria dos episódios, Affatato apresentou as notas posteriormente para justificar os gastos. Em uma ocasião, a Rodoseg teria recebido pagamento posterior via transação bancária por um serviço no complexo Beira-Rio. 

Devido à emissão de diversas notas ao longo de dois anos, não se sabe quais foram especificamente os trabalhos executados pela Rodoseg. Affatato diz que todas as transações se referem à fabricação e instalação de guard-rail feita pela empresa da sua família no entorno do Complexo Beira-Rio. 

Um dos proprietários da Rodoseg é Arturo Affatato, irmão do ex-dirigente colorado. O próprio Pedro Affatato era um dos donos do empreendimento até outubro de 2011, quando se retirou e deixou o negócio sob os cuidados do familiar, além de outro sócio, conforme revela documento de alteração contratual arquivado na Junta Comercial do Rio Grande do Sul. O endereço da Rodoseg, em Eldorado do Sul, fica no mesmo terreno da Sinarodo Sinalizadora Rodoviária, empresa principal dos Affatato, da qual os irmãos Pedro e Arturo são proprietários.

Conforme a lei que estabeleceu o Programa de Modernização da Gestão de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro (Profut), é vedado aos clubes contratar empresas das quais façam parte os seus gestores ou familiares. 

A restrição está descrita no artigo 25 da norma federal: “Consideram-se atos de gestão irregular ou temerária praticados pelo dirigente aqueles que revelem desvio de finalidade na direção da entidade ou que gerem risco excessivo e irresponsável, tais como: (...) celebrar contrato com empresa da qual o dirigente, seu cônjuge ou companheiro, ou parentes, em linha reta, colateral ou por afinidade, até o terceiro grau, sejam sócios ou administradores (...). 

A lei do Profut determina que, em casos como esse, o dirigente poderá ficar inelegível por 10 anos para cargos eletivos em qualquer entidade desportiva profissional. É uma sanção administrativa. Segundo a lei, também é permitido deflagrar apuração civil e penal. 

CONTRAPONTO

A reportagem enviou cinco perguntas a Pedro Affatato

1 – Por que o senhor apresentou notas fiscais da Rodoseg em prestações de contas de adiantamentos sacados na tesouraria do Inter? Qual foi a finalidade dos adiantamentos justificados com notas da Rodoseg? A Rodoseg prestou serviço? 

2 – Uma das transações que gerou emissão da nota fiscal da Rodoseg ao Inter registrou pagamento via bancária. O pagamento teria sido posterior a um serviço prestado pela Rodoseg no complexo Beira-Rio. Que serviço foi esse?

3 – O que a Rodoseg prestou em serviços para justificar a emissão de notas de R$ 1 milhão ao Inter?

4 – O senhor pode apontar objetivamente quais foram os serviços prestados pela Rodoseg ao Inter e o valor?

5 – Conforme a lei do Profut, é proibido aos clubes contratar empresas das quais façam parte os seus gestores ou familiares. O veto está descrito no artigo 25 da norma: “Consideram-se atos de gestão irregular ou temerária praticados pelo dirigente aqueles que revelem desvio de finalidade na direção da entidade ou que gerem risco excessivo e irresponsável, tais como: (...) celebrar contrato com empresa da qual o dirigente, seu cônjuge ou companheiro, ou parentes, em linha reta, colateral ou por afinidade, até o terceiro grau, sejam sócios ou administradores (...) Também será considerado ato de gestão irregular ou temerária o recebimento de qualquer pagamento, doação ou outra forma de repasse de recursos por (...) empresa ou sociedade civil da qual o dirigente, seu cônjuge ou companheiro ou parentes, em linha reta, colateral ou por afinidade, até o terceiro grau, sejam sócios ou administradores”. A lei do Profut determina que, em casos como esse, o dirigente poderá ficar inelegível por 10 anos para cargos eletivos em qualquer entidade desportiva profissional. Também é permitido deflagrar apuração e aplicar eventual sanção civil e penal. O senhor entende que cometeu ato de gestão irregular ao estabelecer relações comerciais entre o Inter e uma empresa de sua família? 

Pedro Affatato, ex-vice-presidente de Finanças do Inter, encaminhou um texto, no qual não se refere ao fato de a lei do Profut não permitir aos clubes contratar empresas das quais façam parte os seus gestores ou familiares. 

A Rodoseg prestou serviços ao Internacional no que tange à fabricação e implantação de guard-rail para a proteção das áreas do entorno do complexo Beira-Rio. Tal obra pode ser facilmente constatada com uma visita ao estádio e entorno. Foram mais de 150 toneladas de aço utilizadas na fabricação dos guard-rails.

Os serviços foram executados em janeiro de 2015, sendo pagos à empresa da seguinte forma: 30% após 60 dias da conclusão, 30% em 90 dias após a conclusão, 20% em 270 dias após a conclusão e 20% em 1 ano e 7 meses após a conclusão. Os pagamentos foram fracionados e as notas fiscais foram emitidas em contraprestação a cada pagamento.

Parte desses recursos foi pago mediante transferências bancárias e parte foi pago em dinheiro.

O custo da obra foi abaixo do valor de mercado, sendo que, inclusive, na época sequer havia empresa apta em Porto Alegre para atender as condições técnicas e de pagamento da obra na forma em que o clube necessitava. Não houve superfaturamento ou desvio em proveito pessoal.

Eu havia me desligado da Rodoseg muitos anos antes da execução da obra. Sempre que possível eu ajudei pessoalmente o clube e não medi esforços para que essa ajuda ocorresse em momentos urgentes e necessários, como foi o caso. Estávamos enfrentando problemas de invasão do local por terceiros a partir do instante em que o ex-presidente Giovanni Luigi devolveu a área do entorno à prefeitura de Porto Alegre. Foi necessário, então, uma providência imediata para proteção do patrimônio do clube”. 


Gaúcha ZH


Nome:

E-mail:

Comentário:

Cidade:


Comentários


Imobiliária Cerro AzulRepresentações BirckRepresentações Birck - 1 Cotrio - Logomarca
Cotrio - LogomarcaRepresentações Birck - 1 Representações BirckImobiliária Cerro Azul