Mieth MadeirasBlumen Platz Center - Outubro de 2015Água Kangen
Por Donato Heinen. Publicado em 11/05/2020 as 13:26:19

Bolsonaro não sinalizou interferência em reunião com Moro, diz Ramos

Ministro vai prestar depoimento. WhatsApp: Moro saiu do grupo


De acordo com o ministro, a cada 10 entrevistas de Bolsonaro no Alvorada, só duas têm atritos. Por isso, "o somatório é positivo", diz ele

O ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, 63 anos, declara que o presidente Jair Bolsonaro não fez nenhuma sinalização que indicasse interferência na Polícia Federal. Pelo que se recorda, diz Ramos, não houve nem menção a superintendências da corporação durante uma reunião interministerial da qual participou.

O ex-ministro Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública) afirma que Bolsonaro queria alguém de seu “contato pessoal” no comando da PF. De acordo com ele, o presidente expressou seu desejo durante 1 encontro do Conselho de Governo.

A partir da acusação de Moro, o ministro Celso de Mello, do STF (Supremo Tribunal Federal), determinou a liberação do vídeo da reunião. O vídeo foi entregue pelo governo na 6ª feira (8.mai.2020). Celso de Mello decretou sigilo do material. Leia a íntegra da decisão (183 KB). O ministro do STF também determinou o testemunho de 3 ministros militares. Para garantir o depoimento, decidiu que haverá condução coercitiva no caso de os auxiliares de Bolsonaro não comparecerem. 

Ramos é 1 desses ministros que precisarão depor. Os outros 2 são Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) e Braga Netto (Casa Civil).

O chefe da Secretaria de Governo declara que “não vai tecer críticas ao eminente ministro”, mas diz também que “não havia necessidade de condução coercitiva.” Isso porque “não existe essa possibilidade de ser determinado dia e hora e 1 de nós [militares] não comparecer”. 

O ministro, que é general do Exército na ativa, fez a declaração ao jornalista Fernando Rodrigues, apresentador do Poder em Foco, uma parceria editorial entre o Poder360 e o SBT. Além da transmissão nacional em TV aberta, a atração também pode ser vista simultaneamente, ao vivo e “on demand“, nas plataformas digitais do SBT Online e no canal do YouTube do Poder360.

Assista à entrevista gravada na última 5ª feira, em 7 de maio de 2020 (45min6seg):

Ramos afirma que “em nenhum momento” da reunião o presidente quis se referir a processos judiciais ou investigações conduzidas pela Polícia Federal. De acordo com ele, Bolsonaro falava do Sisbin (Sistema Brasileiro de Inteligência) e cobrava relatórios de melhor qualidade.

“O que é a inteligência? Parece que ficou demonizado, mas não é: em qualquer país do mundo você precisa de informações e de dados sobre as fronteiras, os crimes transnacionais, queimadas, de criminalidade, de grupos radicais se reunindo, isso faz parte do Sisbin. E quem faz parte do Sisbin? O sistema de inteligência das Forças Armadas, da Polícia Federal, das Polícias Militares, todos vão e alimentam esse sistema. Então era disso que o presidente estava falando”, diz.

“Mas esse relatório que o Sisbin produz ou os órgãos…”, começa a dizer Fernando Rodrigues.

“O presidente tem que ter acesso”, interrompe Ramos.

“Mas ele já tem acesso”, responde o apresentador.

“Sim, mas ele os considera não tão no nível que ele queria”, declara Ramos, que completa:

“Eu como general, onde passei, é obrigação, é dever da pessoa que está investida de autoridade exigir que seus subordinados deem o melhor de si. Ele é o chefe supremo do país. Ele não pode ser surpreendido –e às vezes acontece– com informações que ele recebe de WhatsApp.” 

MORO SAIR DO GRUPO “NÃO FOI LEGAL”

Ramos afirma que ficou “1 pouco” decepcionado com a “maneira como aconteceu” a saída de Moro do governo. Ele diz que é da “cultura militar”:

“Se eu não estou satisfeito ou se eu vou sair, eu vou ao presidente da República e digo: como eu não concordo com a saída do Valeixo [ex-diretor-geral da PF],  vim pessoalmente dizer que vou sair do governo. Não marcaria uma coletiva na véspera. Falei isso para ele [Moro].”

O ministro da Secretaria de Governo continua:

“Tem 1 grupo nosso de ministros… Ele deixou o grupo.” 

“Como assim? Ele saiu do grupo?”, pergunta Fernando Rodrigues.

“Ele saiu do grupo de WhatsApp”, responde Ramos.

“Agora ou antes?”, indaga o apresentador.

“Não, logo depois que saiu de ministro. Isso aí que eu acho que foi ruim”, diz.

“Mas se ele não é mais ministro tem que sair do grupo…”, afirma Fernando Rodrigues.

“Pô, mas ninguém brigou com ele. Nem o presidente. E, detalhe: até importante que eu fale: ele não foi demitido; ele pediu para sair”, afirma Ramos.

“NÃO HÁ RISCO” DE GOLPE

Ramos diz: “Não há absolutamente risco nenhum de quebra do sistema constitucional do Estado democrático de Direito”. De acordo com o ministro, Bolsonaro “é uma pessoa muito espontânea”, de “peito aberto”. Por isso, “muitas vezes ele participa de algumas coisas [manifestações], e as pessoas fazem outra leitura”.

“Então, não existe, não há risco nenhum. (…) Estou afastado, é bom que todos saibam, do Alto Comando do Exército, mas eu converso com os meus amigos, tenho muito bom relacionamento com o pessoal da ativa e da reserva, não há nenhuma ideia, nenhum risco, absolutamente, com relação a isso [golpe]”, diz.

O ministro afirma que as pessoas que pedem intervenção militar em manifestações de apoio ao presidente, “de certa maneira, até ofendem as Forças Armadas. É ofensivo, porque as Forças Armadas, elas são o bastião da democracia, e o presidente sabe disso.”

“ALA MILITAR NÃO EXISTE”

Ramos declara que “não existe” a chamada “ala militar” do governo. Isso porque, diz ele, não há reuniões isoladas entre integrantes das Forças Armadas. O ministro cita o exemplo dos 2 pronunciamentos de Bolsonaro a respeito da covid-19.

Em 1 dos discursos, o presidente mencionou “histórico de atleta” e disse que, se fosse infectado, teria no máximo “uma gripezinha”. No outro, mudou de tom e reconheceu a emergência internacional de saúde pública como o “maior desafio da nossa geração”.

“Teve o discurso que o pessoal não gostou e aí falaram que foi o presidente. E o outro discurso, que todo mundo bateu palma, foram os generais. É uma injustiça. Eu não participei, o general Heleno não participou. O presidente da República, aquele que o pessoal falou que foi sereno, ele que fez. A tal da ala militar ela não existe”, afirma

GENERAL PUJOL

O ministro diz que não há possibilidade de assumir o lugar do comandante do Exército, Edson Leal Pujol. “Ele é o meu comandante. É abominável. Seria uma coisa impensável. Até porque o presidente não fez o convite, e, se ele fizesse o convite, eu diria: presidente, eu não posso aceitar”.

RELAÇÃO COM A IMPRENSA 

Sobre o relacionamento –e atritos– de Bolsonaro com a imprensa, Ramos afirma que prefere ter “1 presidente sincero do que 1 presidente desonesto”.

“Eu prefiro 1 presidente meio grosso do que 1 falso. Não é porque eu sou amigo dele, não. Podem falar o que quiser dele, mas ele é aquilo ali. Prefiro ele assim do que o cara vaselina, que às vezes está falando outra coisa”, diz.

De acordo com o ministro, há “repórteres que fazem perguntas coerentes, mas têm outros que já vêm no fígado dele”: 

“E a maneira dele ser… Se você me perguntar: ‘não poderia ser melhor?’ Sim, ou talvez, mas é da natureza dele… Voltando ao que eu falei: ele sempre foi do embate. Então é o seguinte: ele sempre foi ‘lutador de MMA’ a vida toda, porque assim exigiram dele. Agora ele está numa situação de presidente da República. Teria de jogar xadrez. Ele está se adaptando.”

Ramos diz que Bolsonaro “está sempre em contato com a imprensa, então a possibilidade de dar 1 embate é muito grande”.

O ministro faz 1 cálculo e diz considerar positivo o saldo nos contatos do presidente com jornalistas na saída do Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência –local no qual às vezes repórteres são xingados por apoiadores do presidente ou são hostilizados por Bolsonaro..

“O Brasil é 1 país que não se pesquisa muito, mas, se for olhar a quantidade de entrevistas no cercadinho que deu esses embates, se você pegar de 10, duas [tiveram confronto]. Então, no somatório, está no positivo”, afirma.

VETO DO PRESIDENTE

Responsável pela articulação política, Ramos afirma que o Congresso “tem direito” de derrubar 1 eventual veto do presidente ao aumento para funcionários públicos, que foi incluído em um programa que dá ajuda a Estados e municípios.

Os líderes governistas apoiaram o aumento. O ministro Paulo Guedes (Economia) reclamou. Bolsonaro disse que barraria o trecho. Se realmente se decidir pelo veto, terá que sustentá-lo junto ao Congresso.

“Passou o aumento. O Guedes ficou contrariado porque ele sabe da importância. Levou ao presidente na última semana, e aí apresentou as suas razões. Posteriormente, o presidente disse que vetaria junto ao Congresso essa parte”, diz.

“Ou seja, vai ser possível manter esse veto?”, pergunta Fernando Rodrigues.

“Agora, dentro da democracia, é o Congresso Nacional. Eu sempre digo isso aí. Eu respeito muito esse processo”, diz Ramos.

“O senhor não acha que o Congresso pode derrubar esse veto?”, pergunta o apresentador.

“Tem direito a isso. Faz parte da democracia. A gente tem que conviver. Um dia eu citei, fui criticado: tal país, que é ditadura, deve ser mais fácil fazer articulação política”, afirma o ministro.

QUEM É LUIZ EDUARDO RAMOS

Nascido no Rio de Janeiro, Luiz Eduardo Ramos tem 63 anos, sendo 46 dedicados ao Exército. É ministro da Secretaria de Governo e general das Forças Armadas. Tem mestrado em Operações Militares e Doutorado em Ciências Militares.

Amigo do presidente Jair Bolsonaro, tomou posse no dia 4 de julho de 2019, depois da demissão do também general Carlos Alberto dos Santos Cruz, demitido no dia 13 de junho daquele ano.

Luiz Eduardo Ramos ingressou na Escola Preparatória de Cadetes do Exército em 1973. Foi declarado aspirante a oficial de infantaria pela Aman (Academia Militar das Agulhas Negras) em 1979. Tornou-se general do Exército em 2017.

Atual ministro, exerceu a função de adido militar de Defesa em Israel. Foi comandante das Forças Armadas na Missão de Paz do Haiti. Comandou a 12º Divisão de Exército no Rio e atuou nas ações de segurança da Copa do Mundo (2014) e dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos (2016).

Ainda em 2016, foi vice-chefe do Estado-Maior do Exército. Em seu último cargo antes de ser nomeado ministro, chefiou o CMS (Comando Militar do Sudeste).

No governo, despacha no Palácio do Planalto. Tem como função assessorar diretamente o presidente da República na interlocução com Estados e municípios, bem como fazer a articulação política junto ao Congresso Nacional.

PODER EM FOCO

O programa semanal, exibido aos domingos, sempre no fim da noite, é uma parceria editorial entre SBT e Poder360. O quadro reestreou em 6 de outubro, em novo cenário, produzido e exibido diretamente dos estúdios do SBT em Brasília.

Além da transmissão nacional em TV aberta, a atração pode ser vista nas plataformas digitais do SBT Online e no canal do YouTube do Poder360.

Eis os outros entrevistados pelo programa até agora, por ordem cronológica:


Nome:

E-mail:

Comentário:

Cidade:


Comentários


Representações BirckRepresentações Birck - 1 Filtros EuropaCotrio - Logomarca
Cotrio - LogomarcaFiltros EuropaRepresentações Birck - 1 Representações Birck