Mieth MadeirasBlumen Platz Center - Outubro de 2015
Por Donato Heinen. Publicado em 25/02/2021 as 20:39:05

Sem aval dos prefeitos, Leite suspende cogestão e banca restrições da bandeira preta

Derrotado na segunda-feira, quando pediu apoio para suspender a cogestão, governador chamou para si a responsabilidade


Rasgada na segunda-feira (22) pelos prefeitos que insistiram em ignorar os sinais de agravamento da crise sanitária, a bandeira preta foi remendada pelo governador Eduardo Leite nesta quinta (25) e passará a valer em todas as regiões classificadas em risco altíssimo de contágio pelo coronavírus, com suas restrições severas à circulação de pessoas. A suspensão da cogestão regional valerá entre este sábado (27) e o domingo seguinte, dia 7 de março. 

Na primeira parte da reunião com os prefeitos, Leite reapresentou sua proposta de suspender a cogestão por uma semana, mas disse que queria ouvi-los antes de tomar uma decisão. Depois de uma apresentação dramática da secretária da Saúde, Arita Bergmann, assumiu a palavra e anunciou que a decisão estava tomada:

 —  Trago para mim. A decisão é minha

Em vez de gráficos milimetricamente elaborados, como ocorre nas apresentações do governo, Arita expôs aos prefeitos slides mais simples, com mensagens diretas sobre a gravidade da situação no Estado. 

A secretária mostrou que a quantidade de pacientes hospitalizados por covid-19 passou de 2.383, em 24 de janeiro, para 4.925, nesta quinta, o que equivale a um número maior do que a população de 230 cidades gaúchas. E explicou que, mesmo que fossem abertos 60 novos leitos de UTI por dia, o que é inviável, seria insuficiente para dar conta da demanda atual.  

Um dos dados mais impactantes elencados por Arita é o que mostra a quantidade de pessoas internadas em UTI que estão indo a óbito. A média era de 60% no ano passado, mas o índice está subindo e chegou a quase 75% em fevereiro.

 — Do jeito que estamos indo, está cada dia mais difícil  — resumiu a secretária, enquanto a tela mostrava em letras garrafais: "Precisamos conter nível de transmissão e velocidade de propagação IMEDIATA E URGENTEMENTE".

Por fim, Arita demostrou que, na prática, o colapso já é uma realidade no Rio Grande do Sul, explicando que 30 pacientes considerados gravíssimos, com risco iminente de morte, aguardavam vagas em UTI na quarta-feira (24) à noite. Outros 64 pacientes em estado grave também esperavam por vagas naquele momento.

 Nosso departamento (de regulação) chega a fazer três, quatro rounds diários para começar, não só a classificar a lista de espera, mas principalmente fazer escolhas (sobre quem ocupará leitos) — disse a secretária da Saúde.

E completou:

— Hoje temos 12.029 vidas perdidas para o covid e, se nada for feito, teremos no mínimo 200 óbitos por dia e chegaremos, no dia 15 de março, a 15 mil óbitos.

Orientado pelo comitê científico e por um grupo de notáveis que o aconselha, Leite foi para a reunião convencido de que não tinha mais como protelar a ampliação das restrições, mas esperava a adesão dos prefeitos porque cabe a eles fazer cumprir os decretos. Ganhou um apoio importante, do Ministério Público, na pessoa do procurador-geral, Fabiano Dallazen. Já tinha recebido sugestão semelhante do Ministério Público Federal, das Defensorias Públicas do Estado e da União, da Associação dos Juízes pela Democracia e, principalmente, dos médicos.

Entre os prefeitos, houve contestações, a começar pelo de Porto Alegre, Sebastião Melo, que relutava em suspender as atividades econômicas. Mas mesmo os que discordam garantiram que vão adotar os protocolos da bandeira preta, em respeito à determinação do Estado.

Pessoas que convivem com o governador relatam que ele passou os últimos dias debruçado sobre as planilhas e gastou horas e horas ouvindo relatos de médicos, entrevistas de especialistas e depoimentos de pacientes e familiares.

A decisão indica que o governador compreendeu a angústia de quem está na linha de frente e há alguns dias alerta para o colapso iminente, que agora se consumou. Já que a tragédia não pode ser evitada, o foco agora é reduzir os danos e salvar o maior número possível de vidas. Mesmo sabendo que a economia teve problemas em 2020 e terá outros com as restrições da bandeira preta, Leite está convencido de que não haverá como salvar as empresas se descuidar das vidas que correm risco imediato.

Aliás

O novo mapa do distanciamento controlado, a ser divulgado nesta sexta-feira (25), definirá quais regiões terão de adotar, de fato, as regras da bandeira preta. Pela evolução dos números, há chance de que todo o Estado fique no nível máximo de restrições na próxima semana, já que o sistema de saúde é interligado e os pacientes são transferidos para onde há leitos disponíveis. 


Rosane de Oliveira

GZH


Nome:

E-mail:

Comentário:

Cidade:


Comentários


Representações BirckFiltros EuropaCotrio - Logomarca
Cotrio - LogomarcaFiltros EuropaRepresentações Birck