Mieth MadeirasBanner Tchê Milk - 14-10-22ESTOFARIA DO MÁRCIO
Por Grande Santa Rosa Notícias. Publicado em 17/11/2022

Dinheiro para politicos

Por Ivar Hartmann


Não poderia esquecer. Uma vez fui candidato a deputado estadual. Despesas extras apareciam a toda hora. Em um mundo sem fim. Cada candidato fazia sua campanha com os recursos de que dispunha. Chamava-se isso democracia. No meu caso, dei azar. Minha família era remediada e a família da minha mulher, que era abonada, getulista e brizolista. Partido contrário ao meu. Resultado: nem um centavo caiu na minha guaiaca por colaboração afetiva. Minha então mulher e eu passamos um tempo pagando contas. Foi bom. Continuei promotor de Justiça e nunca mais gastei um centavo em política. Mas, no Brasil, os tempos mudam. E sempre para pior. Segundo o conhecido jornalista Cláudio Humberto, o Fundão Partidário, criado pelos políticos para fazerem campanha à custa da mãe pátria, que para eles é a próprias mãe brasileira, ascendeu a 5 bilhões de reais. Cinco bilhões! Como nossa democracia acabou, os atuais parlamentares ainda recebem mais do que os pretendentes, forma de se garantir no cargo.

Esta verba é um escândalo. E todos calam. Isso veio à tona quando um filiado do PT, com 42 anos de vida partidária e larga folha de cargos ocupados pela legenda, desistiu de ser candidato porque receberia só 175 mil reais. Segundo ele, Maria do Rosário e Paulo Pimenta receberam, cada um, um milhão de reais do partido para a campanha. Então, agora, é assim:  o candidato entra só com a cara e, claro, os malandros com o vislumbre de ainda fazer uns “trocos por fora”. Ou alguém acredita que neste universo de candidatos, todos prestarão contas, tim-tim por tim-tim, do dinheiro recebido do povo? Sim. O dinheiro é nosso. De impostos pagos. Acreditem: estamos agora em plena ditadura. Dos parlamentares. E todos calam. Por interesses. 

Representações BirckFiltros EuropaCotrio - Logomarca
Cotrio - LogomarcaFiltros EuropaRepresentações Birck